O que faz uma cidade crescer é o seu movimento

Assisti a uma verdadeira aula do Prof.  Dr. José Gilberto de Souza, na apresentação da Análise Socioespacial realizada pela Acimm, pesquisa que tenho a liberdade de dizer foi além da nossa sugestão, virou um estudo de muitas possibilidades.

Entre as muitas informações uma frase fora reforçada, “os comandos se alteram em todas as esferas, mas a base precisa permanecer, dando o Norte”. Agora, para ter uma base bem-feita, precisamos de pessoas educadas moral e culturalmente, com formação técnica e acadêmica, capazes de pensar, de elaborar projetos e de executá-los.

Segundo o prof., a pesquisa mostrou que nossa população, no quesito educação, está abaixo das expectativas da região, o povo é bom, mas o nível educacional necessita de muita melhoria, infelizmente, nossa cidade não gera oportunidade formativa e nem de empregos. As mulheres em sua maioria recebem os salários com valores inferiores aos de outras regiões, não existem ações efetivas para desenvolvê-las em todos os níveis da cadeia produtiva, os programas de empoderamento têm necessidade de ser implantados com urgência.

Ainda na educação, há no município, aproximadamente, 1200 jovens fora das escolas.  Não devemos esperar que a administração pública resolva todos as questões da educação, o urgente e criar parcerias com instituições de ensino particulares, cursos técnicos e faculdades, veja o exemplo da cidade vizinha. É preciso consolidar uma imagem positiva, de oportunidades, a pesquisa apontou que 57% dos jovens hoje, desejam ir embora para outros lugares, isso demonstra ausência de vínculo com o município, se tudo continuar assim, nem nos dias dos Pais e das Mães voltarão para uma visita às famílias. A cidade carece de criar movimento, feiras, eventos e atrativos para todas as idades, temos que fixar mais empresas e pessoas no centro da cidade, Mogi Mirim tem que voltar a ser uma cidade atrativa, bonita e com opções de laser, de educação, de saúde e de gastronomia.

Os jovens (17 a 30 anos) possuem poucas opções de entretenimento, o que os levam para outros lugares. Saiba, são perdidos, anualmente, 60 milhões, em consumo no nosso comércio, isso engloba procura por entretenimento, itens de saúde e educação.

É importante destacar, quando a população consume fora, se faz uma transferência involuntária de recursos para outros municípios, fazendo o comércio, a indústria, os prestadores de serviços de outros lugares crescerem em detrimento dos nossos. Temos que fixar o consumo na cidade, realizar a lição de casa é necessário. Nessa pesquisa mesmo, vi alguns exemplares físicos, será que foram impressos em Mogi Mirim ou foram impressos em outra localidade, por motivo de preço, de qualidade, de equipamento técnico? Não sei. Se foram feitos fora, perdemos uma oportunidade para desenvolver nossas empresas do setor gráfico para esse tipo de trabalho profissional. Agora, se foram impressos, aqui, dou os parabéns.

Com todos esses dados, observamos porque o comércio está sofrendo, porque a renda da nossa população está baixa e porque aqueles que ainda possuem recursos, continuam consumindo fora da cidade. Devemos olhar o passado, pensar o futuro, sem repetir as mesmas ações, o comércio necessita de dinamismo, de modernização, o turismo pode ser uma boa aposta para trazer recursos, ainda mais, se associarmos a agricultura junto. 

A malha viária tem que ser reestudada, não precisamos mais de puxadinhos, precisamos de avenidas abertas, sinalizadas, tudo para facilitar o movimento e a permanência das pessoas na cidade. E o mais importante, melhorar a qualidade da mão de obra, para que melhores salários sejam pagos e o consumo cresça e com ele amplie o desenvolvimento da querida Mogi Mirim. Acredito que precisamos de uma “Nova Cidade”.

Boa Semana! Fique atento às novidades.

Compartilhe!